Ocorreu um erro neste gadget

20 de nov de 2009

Missão à Grecia


(AT 15:36 - 18:22)

1. Apesar de iniciar esta visita a Grécia com uma diferença de opiniões, os missionários Paulo e Barnabé concordam em revisitar as igrejas da Galácia, mas discordam quanto a levar João Marcos, que os tinha abandonado na missão anterior (At 15:36-38), esta missão inicia-se na Síria especificamente na cidade de Antioquia.

2. Após a discussão Barnabé leva Marcos para Chipre
(Atos 15:39).

3. Paulo leva a Silas. Em Derbe e Listra, e pede que Timóteo se reúna ao grupo (Atos 16:1-3).

4. Eles revisitam as cidades, falando aos cristãos sobre as decisões do concilio de Jerusalém acerca dos gentios convertidos
(Atos 16:4-5).

5. Paulo tenta entrar na Bitínia, mas é impedido disso pelo Espírito Santo (Atos 16:6-7).

6. À noite Paulo recebe uma visão. Um homem da Macedônia exorta-o a atravessar o mar e à ajudá-los. Eles resolvem velejar para Macedônia (Atos 16:810). É nesse ponto que Lucas junta-se a eles.

7. Paulo livra uma jovem adivinha de um espírito maligno. Os sócios da jovem protestam e uma multidão ataca Paulo e Silas. Açoitados e encarcerados, são libertos por meio de um terremoto. O carcereiro se converte (Atos 16:11-40).

8. Paulo convence tanto a Judeus quanto a Gregos. Alguns Judeus despertam um levante e Paulo parte secretamente (Atos 17:1-9).

9. Paulo recebe uma melhor recepção. Mas uma multidão é despertada por gente chegada de Tessalônica. Paulo parte, mas Silas e Timóteo ficam para trás (Atos 17:10-15).

10. Paulo fala no Areópago que se reunia para considerar sobre novas religiões. A menção feita por Paulo sobre a ressurreição divide a sua audiência. Uns zombam outros crêem
(Atos 17:16-34).

11. Silas e Timóteo chegam com novidades de Tessalônica. Paulo escreve I e II Tessalonicenses encorajando aquela igreja em suas dificuldades. Eles passam quase dois anos ali, edificando a igreja . Apesar da oposição dos Judeus, eles conseguem permanecer ali (Atos 18:1-17).

12. Eles param por breve tempo em Éfeso. Paulo tinha sido proibido anteriormente de pregar na Ásia. Ele debate com os judeus, que queriam que ele permanecesse por mais tempo (Atos 18:18-21).

13. Eles viajam de volta para Antioquia, através de Cesaréia e Jerusalém (Atos 18:22).

29 de out de 2009

O Ensino de Paulo em Atenas


Atos 17:16-34

Atenas era uma cidade altamente idólatra o próprio nome já é pejorativo, o vocábulo em seu original é Athenai, seu plural é Athene (atribuída à deusa da sabedoria. Acreditava-se ter sido ela a fundadora da cidade) Também conhecida como Minerva. Figura abaixo.



“Sabedoria e a Justiça, personificadas pela deusa grega Athena, dize-se ser fruto de Métis (a astúcia, e a inteligência) com o poderoso Zeus, ordenador do Cosmos.”
Fonte: mitologia@esdc.com.br

Atenas como famosa cidade da Grécia, capital de Ática, e a principal sede de ensino e civilização durante o período de ouro da história da Grécia, Atenas era uma cidade cheia de ídolos, um calculo feito por Petrônio leva-se a crer que existia cerca de 30 mil deuses.

“Petrônio ou Petronius foi um escritor romano, mestre na prosa da Literatura latina, satirista notável, autor de Satíricon. Não existem provas seguras acerca da identidade de Petrônio, mas é hoje quase certo que se trata de Gaius Petronius Arbiter ou Titus Petronius (27-66 AD), distinto freqüentador da corte do imperador Nero.”
Fonte: http://pt.wikipedia.org

Além de tantos ídolos, sua população não era fácil como exemplo tinha como morador o próprio Petrônio. Mesmo assim Deus levantou o apóstolo Paulo para levar sua palavra aquela cidade, e dela extraiu outros que aderiram ao cristianismo como veremos mais a frente.

Mas, existem algumas curiosidades a cerca da vida de Paulo, que escolhido para levar as boas novas de salvação aquele inferno, são curiosidades que nos fazem pensar:

O que se passava pela sua mente?
Qual sua atitude diante daquela realidade?

ATITUDE DE INDIGNAÇÃO

Está era a realidade vivida na mente do apóstolo Paulo.

Em Atenas podia-se encontrar todo tipo de deuses e com isso também achava-se todo tipo de crença, no Vs. 18 encontramos os Epicureus (Epikoureiov ) vocábulo da raiz Epikouros, de um notável filósofo que pertencia a seita de Epícuro, seus seguidores ou Epicureos eram ateus e materialistas, tinham como propósito livrar o homem do medo dos deuses negando a existência de qualquer deus. Negavam a vida após a morte e o juízo final, portanto imaginemos quais seriam suas atitudes diante da pregação de Paulo sobre a ressurreição.

Outros que encontramos são os Estoicos (Stoikos), os estóicos ou os "do pórtico" pertenciam a filosofia estóica. Zeno de Cítium, pai do estoicismo, ensinou em Atenas. Os Estóicos eram panteístas, para eles o logos ou Deus era uma energia que comandava o universo, contudo esse logos era quem delineava o universo assegurando tudo que ocorre estava sobre seu controle.

Aqui nesse Vs. 18, Paulo é chamado de “paroleiro (spermologoi) que quer dizer vagabundo como na cultura da época aplicava-se a uma pessoa que não prestava. Algumas versões diz tagarela (spermologos), temcomo sentido:
1) O que colhe semente, que colhe grãos nos campos
2) metáf.
2a) que vadia pelo mercado e apanha um conteúdo que por qualquer motivo cai dos montes de mercadorias
2b) daí, pobre, miserável, infame, vil, (parasita)
2c) que ganha a vida por lisonjeamento e bufonaria
2d) tagarela sem conteúdo, fofoqueiro

Mesmo assim Paulo não se deixou intimidar. No Vs. 22 trata-os com o nível de conhecimento deles e com uma sabedoria inigualável aplicando ao Deus desconhecido os atributos Divinos, trazendo assim o despertar dos mesmos, pois aquele Deus apresentado por Paulo, sendo motivo de fascínio como o mais poderoso e criador de tudo.

Atitude de indignação não tirou a oportunidade de Paulo tomar um caráter de maturidade cristã e prosseguir com seu ministério.

Devemos nos indignar sim, com falsidades religiosas contemporâneas, seremos criticados, mas devemos abraçar e cumprir nosso papel de administrador da palavra e verdade vinda de um verdadeiro Deus.

Esta é a outra atitude do apóstolo diante aquela realidade frustrante para qualquer cristão.

ATITUDE DE EVANGELISTA

A única atitude que aquele que um dia separado para a divulgação do evangelho At 9:15.

Primeiro devemos ter um alvo para indagarmos, Paulo tinha a Cristo como alvo, Vs. 18b suas mensagens assim como a bíblia eram sempre Cristocêntricas.

Segundo como ainda no Vs. 18, ter como base da evangelização sua obra salvífica e a esperança de ressurreição.

Terceiro devemos entender que estão curiosos para ouvirem de um Deus tão tremendo. Para todos que surgiram em meio a tradições e doutrinas profanas, sempre que se deparam com a verdade ainda não os revelada, ficam extasiados diante de uma nova perspectiva e ação religiosa.

A palavra religião olhada no dicionário de língua Portuguesa, por exemplo, vamos encontrar o seguinte:

Religião re.li.gião sf (lat religione)
1. Serviço ou culto a Deus, ou a uma divindade qualquer, expresso por meio de ritos, preces e observância do que se considera mandamento divino.
2. Sentimento consciente de dependência ou submissão que liga a criatura humana ao Criador.
3. Culto externo ou interno prestado à divindade.
4. Crença ou doutrina religiosa; sistema dogmático e moral.
5. Veneração às coisas sagradas; crença, devoção, fé, piedade.
6. Prática dos preceitos divinos ou revelados.
7. Temor de Deus.
8. Tudo que é considerado obrigação moral ou dever sagrado e indeclinável.
9. Ordem ou congregação religiosa.
10. Ordem de cavalaria.
11. Caráter sagrado ou virtude especial que se atribui a alguém ou a alguma coisa e pelo qual se lhe presta reverência.
12. Conjunto de ritos e cerimônias, sacrificais ou não, ordenados para a manifestação do culto à divindade; cerimonial litúrgico.

Todo esse acervo encontrado refere-se à postura tomada perante ação do que crer, religião é a maneira expressa pelo adorador ao seu adorado.

Portanto, os atenienses estavam abordando uma nova maneira de se dirigir e crer naquele Deus Desconhecido Vs. 23, uma apresentação que afrontava de certa forma, todos os outros deuses daquela cidade e de uma forma mais que grandiosa digamos poderosa destacando-se diante dos outros, e como o único e verdadeiro.

Mas, o apóstolo Paulo para apresentar essa sã doutrina, se utiliza de extrema sabedoria abordando o legado que encontrará em um dos altares da idólatra Atenas.

Paulo reconhecia certos fatos, tais como a necessidade de salvação, reconhecer que os mesmos estavam perdidos. E quanto mais aguçada seja a forma errada de se crer, deve ser lá onde o cristão precisa estar para pregar o método de se viver e crer no verdadeiro Deus e verdadeiro evangelho de Cristo Jesus.

OS RESULTADOS

Podemos ver os resultados da audácia de Paulo como figura de caráter positivo.

At 17:21 “Pois todos os de Atenas e os estrangeiros residentes de outra coisa não cuidavam senão dizer ou ouvir as últimas novidades.”

Mesmo que lhes parecesse estranho ou contrário as suas crenças e tradições religiosas, os de Atenas desprenderam do seu tempo para ouvir a Paulo que para ele seria a sua melhor oportunidade de levar o evangelho para aqueles ateístas, panteístas e sabe lá mais o que, e foi preciso, como também reconhecendo a hora de cair fora não demorou muito Vs. 33, mas deixou seu recado e cumpriu seu trabalho de evangelista.

Houve quem zombasse, isso é uma verdade Vs. 32.

Mas, houve quem saísse daquela vida de religiosidade idólatra, panteísta e ateísta, e creu no verdadeiro e único Deus Vs. 34.

UMA LIÇÃO

Continuando seu ensino Paulo nos chama a atenção, e ensina-nos também a uma postura que devemos abraçar como servos do Altíssimo. Preguemos a palavra seja onde for oportuna ou não, mas de uma maneira inteligente e proveitosa as oportunidades que Deus nos colocar, II Tm 4:2.

Que Deus nos abençoe.

8 de out de 2009

A Filosofia De Vida Do Mágico Simão


Vez por outra encontramos na Bíblia, passagens curiosas que nos expressam uma atividade inadmissível, temos como registro bíblico de tal caráter, a atitude de Ananias e Safira que com seus modos gananciosos tentaram enganar a Deus At 5:1-11.

Lemos ainda em Atos outro curioso e relevante exemplo, como o fato ocorrido com Êutico que durante a pregação de Paulo caiu do terceiro andar At 20:9-12; como esfinge esse evento admite uma emenda para nós pregadores contemporâneos, o consolo de que encontrar alguém dormindo na hora das mensagens, não é um ato do modernismo ou por não ser uma mensagem atraente ou fervorosa.

Voltando para o assunto encontramos relatos que nos chamam atenção para vida cristã, longe de assemelhar-se a uma atitude comum que vez por outra alguém consegue safar-se, ainda que tenha se mostrado impróprio ao caráter cristão. Uma grande inconveniência se observa no relato do Simão o mágico, At 8:9-25.

Vamos analisar alguns fragmentos do texto para observarmos um aprendizado do mesmo.

Atos 8:9 Ora, havia certo homem, chamado Simão, que ali praticava a mágica, iludindo o povo de Samaria, insinuando ser ele grande vulto;
10 ao qual todos davam ouvidos, do menor ao maior, dizendo: Este homem é o poder de Deus, chamado o Grande Poder.
11 Aderiam a ele porque havia muito os iludira com mágicas.
12 Quando, porém, deram crédito a Filipe, que os evangelizava a respeito do reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, iam sendo batizados, assim homens como mulheres.
13 O próprio Simão abraçou a fé; e, tendo sido batizado, acompanhava a Filipe de perto, observando extasiado os sinais e grandes milagres praticados.
14 Ouvindo os apóstolos, que estavam em Jerusalém, que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram-lhe Pedro e João;
15 os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo;
16 porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus.
17 Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo.
18 Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos, era concedido o Espírito Santo , ofereceu-lhes dinheiro,
19 propondo: Concedei-me também a mim este poder, para que aquele sobre quem eu impuser as mãos receba o Espírito Santo.
20 Pedro, porém, lhe respondeu: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois julgaste adquirir, por meio dele, o dom de Deus.
21 Não tens parte nem sorte neste ministério, porque o teu coração não é reto diante de Deus.
22 Arrepende-te, pois, da tua maldade e roga ao Senhor; talvez te seja perdoado o intento do coração;
23 pois vejo que estás em fel de amargura e laço de iniqüidade.
24 Respondendo, porém, Simão lhes pediu: Rogai vós por mim ao Senhor, para que nada do que dissestes sobrevenha a mim.
25 Eles, porém, havendo testificado e falado a palavra do Senhor, voltaram para Jerusalém e evangelizavam muitas aldeias dos samaritanos.


Uma das verdades primeira que podemos observar encontra-se no Vs. 9, sendo uma realidade ainda encontrada nos dias contemporâneos, pois a humanidade desde tempos remotos da época eclesiástica decorre a ser influenciada pelas mentiras de homens, similar o mágico do texto bíblico que iludirá o povo, com isso dissimula uma humanidade com certo declínio pelo proselitismo ilusório.

Observa-se ainda, uma segunda verdade proposta no inicio do Vs. 10, o sobreposto ocorrido deve-se à aprovação das classes sociais a tipos de mágicos que os abordam com o ilusionismo. O povo não levará em consideração esquadrinharem a raiz dos atos ilusórios apresentados pelo mágico daquela cidade, deixando-se levar pelo espetáculo que lhes eram aprazíveis. Portanto, o Vs. 11 é um complementário do Vs. 9 que retrata um povo cego.

Lição para nós de que apresentemos cuidado intensivo com essas maravilhas que aparentam como exemplo, um evangelho com prosperidades abundantes que são efeitos incomprovados diante de falsos testemunhos ou seres hipnóticos, ao contrário busquemos suas raízes bíblicas para não vivermos iludidos diante de uma distorção do ensino bíblico, e ainda vivamos crédulos conformados ao mundo de ilusões hodiernas idênticas as existentes em Trôade, apresentado por Simão O Mágico.

No Vs. 12 temos a ação Divina adentrando a meio aqueles abençoados, que a medida do tocar do Espírito Santo, pois sem fazer distinção acrescentava-se ao cristianismo. Uma curiosa adversidade encontramos na suposta conversão do próprio Simão fabricante de ilusões, que acompanhava os acontecimentos miraculosos, e a imposição de mãos dos apóstolos nos novos cristãos, que eram observando em seus mínimos detalhes como vemos nos Vs. 13; 17; 18.

Chegando ao final do Vs. 18, encontrada como auge do Vs. 19, Simão ilusionista germina sua verdadeira intenção da atenta sua observância aos milagres apostólicos e fala, “Concedei-me também a mim este poder”, essa concupiscência dos olhos e soberba da vida, Simão não sustentara mais diante daquela maravilha ocular, sentiu aparentemente que poderia ser concedida a ele (pelo menos assim pensava), é sensato dizer que o ilusionista afronta assim, a graça Divina.

Outra lição para nós diante do decorrido texto, para termos o cuidado conjeturado no meio cristão, o meditar de só porque estamos em meio a uma multidão padrão cristã e sendo até moda atualmente, ou como quem abraça esse conceito convencidos e não convertidos entendemos o que é ser um seguidor de Cristo Jesus.

Uma terceira verdade encontrada no escrito bíblico apresenta-se no Vs. 20, são as maravilhas de Deus concedidas em graças aos que sofreram uma verdadeira transformação salvífica de espírito, na forma universal como posicional, progressiva e perfectiva e as são concedidas pela graça, não na forma concreta que podem ser compradas de acordo com sua graduação de valor, essas não são fascínios Divinos e levam o homem a perdição, são bem distintas das espirituais que nos levam a um regozijo.

Quando temos a atitude de Simão mágico, não temos parte no ministério de Jesus como podemos observar no Vs. 21, pois são atitudes de um homem desprezível diante de Deus.

Para concluímos a escrita, aprendemos mais em duas advertências descritas no Vs. 22, onde há uma cobrança Divina, para nos arrepender dos atos similares ao do Simão O Mágico, e alcançarmos as misericórdias do Criador com o intuito nos nossos corações em não estarem como descrito no Vs. 23, em amarguras e laçados pela iniqüidade dos nossos corações pecaminosos.

Abracemos o conceito bíblico e não essas que estão presentes na filosofia do mundo moderno, que independente de quem seja, é ilusória, e abraçando teremos uma vida cristã cínica e ilusória, e não é essa filosofia de vida cristã que Deus preparou e dá suporte para vivermos.

Que Deus nos ajude a cumprirmos seus desígnios de vida cristã.

17 de set de 2009

Vitória; em Qualquer Tempo.


Vocês observam tudo que acontece ao nosso redor no dia a dia?
Todo dia enfrentamos uma batalha que é tão comum no nosso viver, que a nossa perspectiva não capta; E isso é maléfico, pois essa batalha é uma realidade juntamente com as perseguições que enfrentamos; Sendo assim se não as detectamos como barreiras para o nosso crescimento espiritual, terminamos deixando uma vitória para ser vencida mais tarde.

A verdade é que quando percebemos e entendemos que existe uma barreira para nosso crescimento espiritual, temos um novo ânimo para lutar e o entendimento para assumir a responsabilidade da vida cristã: Crescer no conhecimento desfrutando de uma vitória diária (I Jo 5:4).

*Como saber detectar essa batalha?
*Quais são os indicativos?

A Bíblia esta repleta de relatos de pessoas que sempre encontraram oposições nas suas vidas como servos, e em Deus foram vencedores.

Nosso exemplo textual encontra-se em: Atos 13:4-12

Confrontos espirituais na vida cristã acontecem como a vitória; em qualquer tempo.

Em nossos dias encontramos vários obstáculos e aborrecimentos, mesmo assim em Cristo sempre somos vencedores no final. Para isso precisamos detectar três fatos que ocorrem nessa batalha diária do cristão, e a primeira encontramos no Vs. 9:


I - EXISTE SEMPRE UM OPOSITOR

Evidentemente não teríamos uma batalha se não tivéssemos um inimigo, não seriamos confrontados se não tivéssemos um adversário tentando nos vencer. Imaginem lá no oriente médio se não existissem vários interesses e todos estivessem do mesmo lado, haveria por acaso, uma guerra que se trava a vários séculos?

Em um campo da batalhas jamais haverá uma guerra se tiver um só lado, um só exército. Assim é na nossa vida diária se não tivéssemos um inimigo espiritual, não teríamos uma luta espiritual que poucos levam a sério, ela é renovada com a permissão Divina a cada dia para ser derrotada, porém, precisamos lembrar que temos um inimigo inteligente, e esse inimigo se utiliza como arma secreta as concupiscências humanas.

Esse opositor a Bíblia o chama de “Satanás”, mas existem também outros meios utilizados por ele:

A. (V. 10 A) Os incrédulos (ou filhos da ira).

Todo aquele que procura atrapalhar a obra de Deus, é claro que não é dele e se não é dele não é seu filho, se não é filho de Deus é filho do diabo (Ef 2:3). Os ímpios deparam-se conosco como uma poderosa arma para nos dar baixas. Mesmo assim devemo0s olhar para os mesmos como o nosso próximo, e detectar que são simplesmente marionetes nas mãos do inimigo (2 Co 4:4).

*E aqueles que se dizem ser cristãos e atrapalham a obra de Deus?
*Será que tem crente que atrapalha a obra de Deus?
*Podemos considerá-los como filhos de quem?

É uma realidade que o exército Cristão é o único que atira nos seus próprios guerreiros, e a maior característica dos tais, são seus maus testemunhos, são espias do inimigo sem saberem, estão professando uma vida e vivendo outra que é totalmente anti-bíblica, esses podemos chamá-los de:

B. (V. 6 b) Falsos crentes ou falsos profetas.

São como os fariseus hipócritas. A palavra hipócrita no seu original significa “ator” semelhante a esses que fazem filmes e novelas, representam uma vida que não é a sua em particular, estão ali representando para o público o que na realidade não o são.

Como é que eu declaro uma vida e vivo outra totalmente diferente da confessada? Dentre esses estão os que declaram a Cristo dizendo:

*“Cristo mudou por completo a minha vida”
Mas, o viver desse declarante é semelhante à vida de antes, ou seja, sem nenhuma transformação da atitude de incrédulo.

*“Tenho vida eterna porque recebi Cristo como meu senhor”
E o senhor dessa pessoa na realidade é ele mesmo, a prostituição, a maldade, o vicio.

Por não se entregaram a uma vida de santidade, no crescimento e conhecimento, não colocam os ensinos Divinos como prioridade nas suas vidas.

C. (Vs. 8 c) Diz que esses afastam da fé os que buscam ter fé.

Vamos analisar o seguinte: Uma pessoa que é tocada por Deus e com isso procura sair dos vícios, procura ajuda de um servo de Deus, e esse observando o testemunho de uma vida que deviria estar transformada e cheia evidencias cristã, mas, ao contrário de uma vida cristã encontra uma vida vulgar, devassa, cheia de desacertos e vícios, vai querer juntar-se a um grupo que professa uma conversão? Invés de encontrar ajuda de alguém que não consegue deixar seu próprio vicio? Essa pessoa que já está tocada pelo Espírito de Deus, está saindo de um mundo de mentiras, devassidão vai acreditar no Deus transformador desse grupo?

São escândalos que abrem cicatrizes grandes e profundas, naquele que está nascendo para uma nova vida com Cristo Jesus. Escândalos são inevitáveis, más ai daqueles por quem vier (Lc 17:1).

D. (V. 10) Atrapalham a obra de Deus.

Vivendo um mau testemunho, em uma vida vulgar e devassa, cheia de erros e vícios, essa pessoa que se diz cristão, muitas vezes com o seu testemunho é uma má influencia para aqueles que acabaram de chegar, aqueles que ainda não tem maturidade para discernir certos atos, com isso os novatos tendem a imitá-los, e quando exortados apontam para a vida daquele trapalhão. Conseqüentemente os tais atrapalham e causam problemas para a espiritualidade dos que chegam.

Vejam a influência de Ananias para sua esposa Safira em At 5:1-2. Sabem qual destino desses aqui na terra?

(V. 11 c) Não têm destino.

*Não irão a lugar nenhum.
*Não crescem na verdade.
*Não frutificam.
*Não testemunham Cristo.
*Não serão instrumento de salvação nem de edificação.
*Não contribuem para o crescimento do reino.
*Não prestam honras a Deus com suas vidas.
*Não servem a Deus.

Só se tem uma certeza. Se não estão em Cristo, encontrarão seu destino, no lago de fogo, onde estará o grande opositor Satanás (Ap 20:10;15).

Qual é a sua posição nessa batalha? Essa é a primeira verdade: Existe sempre um opositor!

Sabemos que numa batalha há dois lados e que os soldados envolvidos tendem em buscar um alvo, mas nessa batalha tem uma diferença.

II - O ALVO SEMPRE É UM SERVO DE DEUS (V. 9)

O servo de Cristo é o alvo mais almejado do inimigo de Deus. Reflita o seguinte: Em meio a uma batalha o soldado do exercito inimigo é observado avançando ao seu encontro lhe trazendo ameaças, qual a única atitude do observante? Procura abater a ameaça como proteção para que ele não seja inutilizado. O adversário que está avançando torna-se um alvo desprotegido porque saiu de sua fenda, e com isso é um alvo fácil para seu oponente.

Essa não deve ser a atitude que um soldado de Deus deve tomar. Abrir sua guarda espiritual, sair da proteção Divina ao tentar batalhar com seus próprios méritos. Mas, nem todos soldados tendem a fazer tal barbaridade o texto nos mostra uma diferença entre o soldado de um exercito comum para um soldado que foi bem instruído, existe um soldado chamado Paulo servo do exercito de Deus.

A. (V. 11 B) O segredo desse soldado é que ele era cheio do Espírito Santo.

A Bíblia diz que Paulo estava cheio do Espírito santo quando enfrentou o opositor.
Afinal o que é ser cheio do Espírito Santo?

*É ser completado com o Espírito de Deus.
*É ser reinado por ele em todas as atitudes.
*É saber usar o poder que por Ele é dado.
*É fazer tudo pensando no que é vontade de Deus.
*É agir dentro dessa vontade de Deus.
*É viver para Jesus, tê-lo com Senhor.
*É ser santificado a Deus.

A palavra “Santo” tem como significado: Preparar, dedicar, ser consagrado, ser separado, ser posto à parte. Esse requisito é possível porque Deus manda-nos ser santos (Lv 11:45; I Pe 1:16), Deus jamais exigiria algo de seus filhos que não lhes fosse capaz (I Co 10:13).

Outra verdade que o texto mostra.

B. (V. 9 B) Deve-se ter sempre uma caráter de enfrentar o oponente.

Devemos fixar os nossos olhares no inimigo e suas ações, essa atitude deve está acompanhada de muita seriedade, e uma atitude de fé, porque Deus está conosco (Mt 28:20).

Decorremos duas verdades no texto de Atos 13:4-12:
1. Sempre tem um opositor.
2. O alvo é sempre um servo de Deus.

Há uma terceira verdade que devemos atentar para ela.


III - UMA BATALHA SEMPRE TEM RESULTADOS (Vs. 12)

A. (V. 7 B) Pode-se observar que somos observados e interrogados.

Mesmo não enclausurados ao entramos no espírito da batalha, os resultados são iminentes como mostra o texto, o soldado mesmo que encontrado em resultados frustrantes, desfruta de circunstanciais de vitórias bem antes mesmo de detectar. O texto diz que o procônsul Sérgio Paulo que na sua inteligência, queira ouvir Barnabé e Paulo, mas surge Elimas o mágico como aquele soldado que parte para o ataque e abre sua guarda, eis, portanto, a oportunidade de Barnabé e Paulo que observados teriam a oportunidade de golpear o inimigo (Ef 6:17; Hb 4:12).

O vocábulo diligenciar que aparece no texto tem como sentido: Intentar, tentativa, pretender, esforçar-se. E foi isso que apenas dois dos soldados Divinos fizeram em meio à batalha, atentos levaram a sério seu opositor e intentaram detonando assim o inimigo. Desfrutavam assim da presente vitória.

B. (V. 11 B) Os ímpios são vencidos.

O texto diz que a mão do Senhor está sobre o opositor e ele fica cego de imediato. Não é diferente em outras ocasiões quando o cristão se faz depender da ajuda Divina, obtemos sua iminente ajuda.

C. (V. 11 C) Os obstáculos tornam-se nada.

Por mais que o mágico se esforçasse para atrapalhar Paulo, de nada adiantaria, nada poderia fazer para que o procônsul não ouvisse a pregação de Paulo. No final o procônsul ouviu reconheceu a insignificância do mágico e pode ouvir, ver e reconhecer a soberania de Deus.

Interessante que no meio dessa batalha, assim como estamos hoje observando através da leitura textual, encontra-se uma testemunha ocular.

D. (V. 12 A) Essa batalha tem telespectador.

Em meio as atitudes sempre tem um telespectador que está em busca de verdades, observando as manobras dos servo de Deus. Eles observam as armas, estratégias, soldados com suas atitudes e todo material bélico. Diante de sua observação a postura de Barnabé e Paulo, diz o texto que ele creu maravilhosamente.

E. (V. 12) Resultados específicos para glória de Deus.

*Quem ficou cego?
*Quem ficou imobilizado precisando de ajuda?
*Quem tornou-se incapaz?

Uma verdade temos retratada, foram os dois oficiais do exercito Divino, os vencedores no final de sua batalha, um resultado de superioridade e retratação da GLÓRIA DE DEUS!

Para concluir só podemos declarar que o servo de Deus é vencedor em qualquer ocasião, é vitorioso em qualquer tempo, quando ele acredita e deixa-se depender do comandante que tem, DEUS ONIPOTENTE, ONISCIENTE E ONIPRESENTE.

Só assim, nessa dependência o cristão será sempre vitorioso.

Amém.

O Espírito Santo em Atos


1. At 15:27-28 = Guia e Aconselha.

Ele nos guia pelo caminho o qual é certo, não nos deixando desamparados nas horas difíceis, mas nos aconselha o que devemos fazer.

2. At 6:3 = Reveste para o ministério

Não somos lançados para o ministério sem preparo, mas somos revestidos pelo Espírito Santo prontos para agirmos e realizarmos a obra.

3. At 8:29 = Mostra o Caminho

Quando há uma obra ser realizada e não temos visão, o Espírito Santo nos mostra e nos leva até o caminho, como no caso de Felipe.

4. At 13:2 = Dá tarefas

Temos tarefas para ser realizadas, e o Senhor nos dá essas tarefas como deu para Paulo e Barnabé.

Curiosidades sobre Timóteo em Atos


O jovem Timóteo morava na cidade asiática de Listra, e era filho de uma judia crente e um pai grego (Atos 16:1).

É provável que Timóteo e sua mãe fossem convertidos pela pregação de Paulo durante a primeira viagem missionária do apóstolo (Atos 14).

Ao visitar Listra novamente durante sua segunda viagem, Paulo ouviu o bom testemunho dos irmãos sobre Timóteo e decidiu levá-lo consigo para o trabalho da pregação do evangelho (Atos 16:2-3).

Na viagem de Paulo para Jerusalém, passando pela Macedônia e Acaia, Timóteo e Erasto, permaneceram algum tempo na Ásia (Atos 19:22)>

O apóstolo mostra grande respeito e confiança pelo mesmo, logo, Paulo se tornou como um "pai" na fé para este discípulo, mencionando o discípulo com muita afeição em 8 das 13 cartas que escreveu.

3 de set de 2009

A Excelência de Atos


Certa vez defendendo a Bíblia, alguém me perguntou qual seria o livro ideal para se começar fazer uma leitura bíblica, é claro que não hesitei em recomendar o Evangelho de João.
Depois pensando em outras possibilidades pensei comigo mesmo: Qual o livro mais importante para nós igreja?
Evidentemente que toda Bíblia é de grande importância para o cristão, e que dependendo de cada situação a palavra de Deus nós coloca diante da sua vontade que nos chega como a coisa mais importante e definitiva na nossa vida cristã.
Voltando ao questionamento, cheguei à conclusão que dependendo da nossa necessidade, ela, a palavra de Deus nos fala forte tocando-nos com uma importância concreta e definitiva.
Em busca de uma importante retratação bíblica no que se diz respeito à parte mais significante para igreja de Cristo, encontrei como autoridade potencialmente falando o livro de Atos.
Assim como os evangelhos são importantes para a salvação do pecador perdido, encontramos em Atos a história da igreja, retratada e revelada, como a entidade agraciada do amor de Deus para um novo povo chamado Igreja de Cristo, comprada pelo seu próprio sangue.

Há pouco em minha primeira aula do livro de Atos no Seminário Batista do Cariri, o professor Andrew Camings falou de sua descoberta fascinante quando o responsabilizaram para ser o novo professor desse livro, pois até então não tinha desfrutado ainda de uma arqueologia do referido livro.

Fiquei imaginando, portanto, o quanto vamos desfrutar desse ensino com Prof. Andrew, contudo a realidade é que muitos têm uma visão de Atos só como história da Igreja ou as viagens missionárias de Paulo.

È verdade que tenho buscado nos dias pastoral uma base nesse livro para trazer a igreja uma visão eclesiológica para edificá-la e levar uma base de vivencia em um mundo bem longe dos ensinos bíblicos.

A verdade é que sempre que estudava Atos me abria uma visão bem mais profunda do que só o inicio da Igreja ou as viagens de Paulo, mas sempre era induzido de levar mensagens em Atos só para referidos temas.

Com a nossa primeira aula começamos a escavar sua autoria e as autoridades envolvidas naquela época, como fazemos sempre em outros livros. Portanto em busca de uma maravilhosa descoberta buscaremos sim, sua história eclesiástica, as influências culturais em fim, todos os eventos que nos levará ao seu esclarecimento de assuntos como: missões, ministérios, vida cristã, milagres, disciplina Divina, proteção Divina, perseverança cristã, propósito Divino, propósito para Igreja de Cristo, ausência de acepções, plano para salvar o cristão, desenvolvê-lo, moldá-lo, como trabalhar para Nosso Salvador, adorá-lo, como fazer parte do seu corpo, e muitos outros assuntos que já como um grande leque abre-se em nossas visões.

A verdade que não me sai da mente é a importante revelação de como começou e do modo que se portava a igreja de Jesus Cristo no seu inicio, evidentemente que muitas lições nos são apresentadas, infinitos ensinos nos espera em Atos, mas um aspecto primário dos documentos de Atos, me chama a atenção para a unidade encontrada nos primeiros quatro capítulos, que retrata de como vivam reunidos, era a ação geral da igreja da época, descreve uma igreja que por mais problemas que enfrentasse era única, no sentido de unidade. Pena que nos dias contemporâneos não se encontra base tão grande como a igreja descrita em Atos dos Apóstolos.

No capítulo um, nós temos a despedida de Cristo aos seus discípulos que estavam reunidos e logo após sua ascensão voltaram reunidos para Jerusalém, e reunidos escolheram o sucessor de Judas, Matias.
No capítulo dois, temos então a inauguração da Igreja de Cristo, ato que mais uma vez os discípulos estavam reunidos e receberam o Espírito Santo reunidos, após a defesa de Pedro diante dos que estavam perplexos ao verem os discípulos reunidos falarem em línguas, os discípulos reunidos presenciaram a conversão de quase três mil.
Chegando aos vss. 42-47 encontramos três vezes vocábulos como: perseveravam – estavam juntos – perseveravam unânimes, que tem sentido de reunidos.
No capítulo três, relata a cura de um coxo e o discurso de Pedro no templo, que logo após é preso juntamente com João.
No capítulo quatro, são levados ao Sinédrio onde Pedro faz um novo discurso, e logo após serem soltos procuraram os irmãos que reunidos oraram a Deus.
Essa união que só foi desfragmentada com o inicio da perseguição, o capítulo oito nos retrata uma unidade que deve ser exemplo para igreja contemporânea. Esse é só um dos destaques que iremos desfrutar no nosso estudo no livro de Atos, espero contribuir com os estudos nesse livro tão importante para a Igreja de Cristo.